quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Lili de Manuel Alves

Um conto com cheirinho a canela e cacau


Um conto doce como o cacau

Sinopse: Lili acabara mesmo de mudar de casa. Novamente. Era a segunda vez, em menos de um mês, que os pais encaixotavam tudo para voltarem a desencaixotar. Na primeira casa, ficaram quase duas semanas, e Lili já começava a conhecer todos os cantos secretos. Só lhe faltava explorar a cave. Mas voltaram a encaixotar tudo dois dias depois de a mãe ter começado a escrever o livro novo. Durante duas noites seguidas, Lili acordou a gritar com um pesadelo horrível. Sonhou com um homem alto muito baixo que tinha tanto de gordo como de magro. Lili chamou-lhe o Homem Que Muda. No pesadelo, aparecia-lhe cego, mas olhava-a nos olhos. Era mudo, mas falava. Dizia sempre a mesma coisa: não desças à cave.




 Este foi um livro que me deixou muito bem disposta. Ainda me cheira a cacau...
 Gostei da história, há ali muita imaginação. 

 "Sonhou com um homem alto muito baixo que tinha tanto de gordo como de magro. Lili chamou-lhe o Homem Que Muda. No pesadelo, aparecia-lhe cego, mas olhava-a nos olhos. Era mudo, mas falava."

 Eu adorei isto no conto, punha a minha imaginação a funcionar e levava-me para dentro da mente de Lili.

Também gostei muito das ilustrações, fizeram lembrar alguns livros que tive. 

 Como diria a Lili; talvez não seja um livro para crianças, eu li e gostei, e já não sou uma criança. 

 Já o Diogo, é uma criança com medo de tudo. Vai demorar até chegar a fase Allan Poe.

 Esta foi uma sugestão de uma amiga e fiquei curiosa para ler mais contos do Manuel Alves. Quem sabe brevemente.